option
My Daypo

MANUAL BÁSICO DE FUZILEIROS NAVAIS

COMMENTS STADISTICS RECORDS
TAKE THE TEST
Title of test:
MANUAL BÁSICO DE FUZILEIROS NAVAIS

Description:
História e Tradições Navais questionário 5

Author:
AVATAR
julianogomessantos@hotmai
(Other tests from this author)


Creation Date:
21/09/2021

Category:
Others

Number of questions: 99
Share the Test:
Facebook
Twitter
Whatsapp
Share the Test:
Facebook
Twitter
Whatsapp
Last comments
No comments about this test.
Content:
1- Quando e onde foi criada A Brigada Real da Marinha? em Lisboa a 28 de agosto de 1787 em Lisboa a 18 de agosto de 1897 em Lisboa a 08 de agosto de 1797 em Lisboa a 18 de agosto de 1779 em Lisboa a 28 de agosto de 1797.
2- Por alvará de quem foi criada A Brigada Real da Marinha? D. João VI D. Pedro I D. Maria I D. João IV Duque de Orleans e Bragança.
3- As raízes da Brigada Real da Marinha remontam da criação do primeiro corpo militar constituído em caráter permanente em Portugal. Qual foi e em que ano foi criado? Terço da Armada da Coroa de Portugal, 1618 Terço da Armada da Coroa de Algarves, 1601 Brigada da Marinha Imperial Portuguesa, 1616 87 Terço da Armada da Coroa de Lisboa, 1610 Brigada da Armada da Coroa de Portugal, 1614.
4- De onde se originou O Corpo de Fuzileiros Navais (CFN)? Brigada Real da Marinha Terço da Armada da Coroa de Portugal Batalhão da Brigada Real da Marinha Batalhão de Artilharia da Marinha Corpo de Imperiais Marinheiros .
5- O Corpo de Fuzileiros Navais (CFN) originou-se da Brigada Real da Marinha, cujos componentes aportaram no Rio de Janeiro a_____________________, guarnecendo as naus utilizadas pela Família Real e a Corte Portuguesa, para transmigrar para o Brasil em decorrência das Guerras Napoleônicas. 7 de março de 1808 21 de março de 1808 17 de março de 1808 8 de março de 1808 9 de março de 1808.
6- No Brasil, a Brigada Real da Marinha ocupou a Fortaleza de São José da Ilha das Cobras, em: 21 de março de 1809 7 de março de 1809 17 de março de 1808 7 de março de 1808 21 de março de 1808.
7- Por determinação do Ministro da Marinha à época, a Brigada Real da Marinha ocupou a Fortaleza de São José da Ilha das Cobras. Quem foi o Ministro que fez tal determinação? D. João Rodrigues de Sá e Menezes - Conde de Anadia. Mem de Sá Francisco Manoel Barroso da Silva –Almirante Barroso Rodrigo Pinto Guedes – Conde de Anadia Almirante Rodrigo Lobo - .
8- Ao longo de sua existência, o CFN recebeu várias denominações, podendo sua história ser dividida em três fases principais, de acordo com as características básicas de sua atuação. Em sua primeira fase, o CFN atuou como: Artilharia da Marinha Infantaria da Marinha Uma combinação de tropas de variadas características Artilharia de Desembarque Artilharia de Posição.
9- Qual foi o período da primeira fase do CFN? de 1808 a 1847 de 1808 a 1874 de 1821 a 1847 de 1808 a 1852 de 1809 a 1845.
10- Ao longo de sua existência, o CFN recebeu várias denominações, podendo sua história ser dividida em três fases principais, de acordo com as características básicas de sua atuação. Em sua segunda fase, o CFN atuou como: Infantaria da Marinha Artilharia da Marinha Artilharia de Posição Artilharia de Desembarque Uma combinação de tropas de variadas características.
11- Ao longo de sua existência, o CFN recebeu várias denominações, podendo sua história ser dividida em três fases principais, de acordo com as características básicas de sua atuação. Em sua terceira fase, o CFN atuou como: Uma combinação de tropas de variadas características Artilharia de Posição Artilharia de Desembarque Artilharia da Marinha Infantaria da Marinha.
12- Qual foi o período da segunda fase do CFN? de 1847 a 1932 de 1847 a 1852 de 1832 a 1974 de 1808 a 1847 de 1847 a 1924.
13- Qual é o período da terceira fase do CFN? a partir de 1932 a partir de 1947 a partir de 1942 a partir de 1952 a partir de 1934.
14- “houve ênfase no emprego dos Fuzileiros Navais (FN) para guarnecerem a artilharia das naus e embarcações armadas. Os artilheiros-marinheiros constituíam-se nos únicos militares profissionais de carreira existentes nas guarnições dos navios”, o trecho refere-se a: 1ª fase do CFN 2ª fase do CFN 3ª fase do CFN 1ª fase do CFN e 2ª fase do CFN 1ª fase do CFN e 3ª fase do CFN .
15- “Em virtude de sua formação militar, tinham acesso ao armamento portátil e contavam com a confiança dos comandos que, por meio deles, se impunham à marinhagem sempre que era necessário o emprego da força”. o trecho refere-se a: 1ª fase do CFN 2ª fase do CFN 3ª fase do CFN 1ª fase do CFN e 2ª fase do CFN 1ª fase do CFN e 3ª fase do CFN.
16- Na Primeira Fase, o CFN participou ativamente de todas as operações navais nas quais a Marinha se envolveu, sendo dignas de realce, EXCETO: Campanha contra Aguirre. A pacificação das Províncias dissidentes Lutas pela consolidação da Independência Expedição contra Caiena Guerra da Cisplatina.
17- O CFN recebeu as seguintes denominações na primeira etapa de sua existência, EXCETO: 1824 – Batalhão Imperial de Artilharia da Marinha 1831 - Corpo de Artilharia de Marinha 1826 - Imperial Brigada de Artilharia da Marinha 1822 - Batalhão de Artilharia da Marinha do Rio de Janeiro 1821 - Batalhão da Brigada Real da Marinha destacado no Rio de Janeiro .
18- Quem foi o primeiro Comandante da Brigada Real da Marinha no Brasil? Rodrigo Pinto Guedes – Barão do Rio da Prata Almirante Soares Dutra Francisco Manoel Barroso da Silva –Almirante Barroso D. João Rodrigues de Sá e Menezes - Conde de Anadia. Joaquim Marques Lisboa – Almirante Tamandaré.
19- A criação do Corpo de Imperiais Marinheiros ocorreu em qual das fases do CFN? 2ª fase do CFN 1ª fase do CFN 3ª fase do CFN Transição da 2ª fase para 3ª fase do CFN n.r.a.
20- “Esta fase iniciou com a criação do Corpo de Imperiais Marinheiros a quem cabia guarnecer a artilharia dos navios e embarcações, passando os FN a serem empregados como infantaria na realização de abordagens, na defesa das naus e na realização de desembarques”. O trecho refere-se a que fase do CFN? 2ª fase do CFN 1ª fase do CFN 3ª fase do CFN 1ª fase do CFN e 3ª fase do CFN 1ª fase do CFN e 2ª fase do CFN.
21- A artilharia dos FN, na segunda fase do CFN, evoluiu de artilharia naval para artilharia de posição e artilharia de desembarque, culminando no: Grupo de Artilharia Naval do CFN Grupo de Artilharia de Campanha do Regimento Naval Grupo de Imperial Artilheiros do Regimento Naval Batalhão de artilharia de posição e desembarque do Regimento Naval Batalhão de Artilharia de Campanha do Regimento Naval.
22- Na segunda fase, os soldados-marinheiros participaram de guerras externas, como: as campanhas contra Oribe e Rosas, contra Aguirre, e a Guerra do Paraguai. A pacificação das Províncias dissidentes, as campanhas contra Oribe e Rosas e contra Aguirre Lutas pela consolidação da Independência, Guerra da Cisplatina e campanha contra Aguirre Guerra da Cisplatina, campanha contra Aguirre e Expedição contra Caiena as campanhas contra Oribe e Rosas, Guerra da Cisplatina e Guerra do Paraguai.
23- As denominações a seguir foram as que o CFN recebeu na segunda fase, EXCETO: 1924 - Corpo de Fuzileiros Navais 1908 - Batalhão Naval 1895 - Corpo de Infantaria da Marinha 1852 - Batalhão Naval 1847 - Corpo de Fuzileiros Navais.
24- A icônica Tomada do “Forte Sebastopol” (1864), ocorreu em qual das Campanhas externas de participação do CFN? Campanha contra Aguirre Guerra do Paraguai Expedição contra Caiena Guerra da Cisplatina Campanha contra Oribe e Rosas.
25- Os FN desempenharam papel relevante na tomada da Praça Forte Paissandu, quando o 2º Sargento Francisco Borges de Souza se destacou por seu heroísmo e destemor. Em qual das Campanhas externas ocorreu tal fato? Campanha contra Aguirre Guerra do Paraguai Expedição contra Caiena Guerra da Cisplatina Campanha contra Oribe e Rosas.
26- A denominação de Corpo de Fuzileiros Navais, em 1932, em substituição à anterior, Regimento Naval, assinalou o início de qual fase do CFN? 3ª fase do CFN 1ª fase do CFN e 2ª fase do CFN 1ª fase do CFN e 3ª fase do CFN 2ª fase do CFN 1ª fase do CFN.
27- “Franca expansão e aprimoramento, mas conservando a tradição de disciplina e confiança, a qual, originária da época da Brigada Real da Marinha, manteve-se através dos tempos”. Tal trecho faz referência: 3ª fase do CFN 1ª fase do CFN e 2ª fase do CFN 1ª fase do CFN e 3ª fase do CFN 2ª fase do CFN 1ª fase do CFN.
28- Deve ser destacada uma série de fatos ocorridos em relativo curto espaço de tempo que permitiram a franca expansão do CFN na terceira fase. EXCETO: a formação dos primeiros oficiais FN na Escola Naval; a expansão da Marinha. a criação do Campo da Ilha do Governador e, nele, o Centro de Instrução (hoje CIASC) e a Companhia Escola (hoje CIAMPA) o aprimoramento técnico-profissional dos oficiais por meio de cursos, estágios e visitas ao exterior; o extraordinário desenvolvimento das OpAnf na Segunda Guerra Mundial. a formação dos primeiros oficiais FN na Escola Naval; a obtenção de áreas para adestramento e a construção de aquartelamentos.
29- Durante a terceira fase do CFN, o progresso material alcançado, ao qual se adicionou o devido embasamento doutrinário, possibilitou o incremento de exercícios com forças navais de países amigos que culminaram com o adestramento interaliado na Ilha de Vieques, Porto Rico, juntamente com FN: norte-americanos, holandeses e ingleses. norte-americanos, franceses e ingleses. norte-americanos, ingleses e canadenses. norte-americanos, holandeses e franceses. norte-americanos, holandeses e noruegueses.
30- Na terceira fase, o CFN, como um todo ou em parte, atuou em acontecimentos relevantes da história do Brasil, EXCETO: Marcaram presença ativa combatendo nas guerras em El Salvador; em Honduras; na antiga Iugoslávia; em Moçambique; em Ruanda; em Angola; no Equador; no Peru e no Haiti. Por ocasião do conflito entre a Índia e o Paquistão, em 1965, o Brasil, como membro da Organização das Nações Unidas (ONU), enviou observadores militares com uma representação do CFN, o mesmo ocorrendo na luta deflagrada entre Honduras e El Salvador. Nas operações levadas a efeito pela Organização dos Estados Americanos (OEA) na República Dominicana, o CFN enviou um Grupamento Operativo (GptOp) integrando o Destacamento Brasileiro da Força Interamericana de Paz (FAIBRAS), um dos componentes da Força Interamericana de Paz (FIP) Segunda Guerra Mundial com destacamentos embarcados, Companhias Regionais nos portos de onde nossas forças navais participavam do conflito e destacamento na Ilha da Trindade Posição legalista nas Revoluções Constitucionalista (1932) e Integralista (1938); posição democrática na Revolução de 1964.
31- Com relação a participação do CFN nos conflitos ao longo da história, associe as colunas e marque a opção que apresenta a sequencia correta. Fases: I) Primeira II) Segunda. III) Terceira ( )Campanha contra Oribe e Rosas. ( )Nas operações levadas a efeito pela OEA na República Dominicana ( )Expedição contra Caiena ( )Guerra do Paraguai II, III, I, II III, III, II, I III, III, II, I III, III, I, II I, II, II, III.
32- Com relação ao histórico o CFN, assinale F ou V nas proposições abaixo e marque a opção que apresenta a sequencia correta. ( ) A Brigada Real da Marinha foi criada em Lisboa a 07 de março de 1808 por alvará de D. Maria I, e suas raízes remontam a 1618, data de criação do Terço da Armada da Coroa de Portugal, primeiro corpo militar constituído em caráter permanente naquele país. ( ) No Brasil, a Brigada Real da Marinha ocupou a Fortaleza de São José da Ilha das Cobras, em 21 de março de 1809, por determinação do Ministro da Marinha Almirante Rodrigo Pinto Guedes - Conde de Anadia. ( ) Na primeira fase, os artilheiros-marinheiros constituíam-se nos únicos militares profissionais de carreira existentes nas guarnições dos navios. Em virtude de sua formação militar, tinham acesso ao armamento portátil e contavam com a confiança dos comandos que, por meio deles, se impunham à marinhagem sempre que era necessário o emprego da força. ( ) Na segunda fase os soldados-marinheiros participaram de guerras externas, como as campanhas contra Oribe e Rosas, contra Aguirre, e a Guerra do Paraguai. ( ) Vale destacar que, na campanha contra Oribe e Rosas, os FN desempenharam papel relevante na tomada da Praça Forte Paissandu, quando o 2o Sargento Francisco Borges de Souza se destacou por seu heroísmo e destemor. Esse episódio ficou conhecido entre os combatentes pelo nome de “Tomada do Forte Sebastopol”. ( ) Por ocasião do conflito entre a Índia e o Paquistão, em 1965, o Brasil, como membro da Organização das Nações Unidas (ONU), enviou observadores militares com uma representação do CFN, o mesmo ocorrendo na luta deflagrada entre Honduras e El Salvador. (F) (F) (V) (V) (F) (V) (F) (F) (V) (V) (V) (V) (V) (V) (F) (V) (F) (F) (V) (F) (V) (F) (F) (V) (F) (V) (F) (V) (V) (V).
33- De modo a honrar e preservar as tradições da Marinha, _______________, quer a bordo, quer em terra, em serviço ou não, devem proceder de acordo as normas de boa educação civil e militar e com os bons costumes. todos os militares todos os militares da ativa todos os militares da reserva todos os militares da reserva remunerada todos os funcionários civis.
34- Quem é a autoridade suprema de bordo? O Comandante O Oficial de serviço O Oficial de Quarto O Assistente do Comandante O Imediato, visto que o Comandante é a autoridade superior.
35- Quem é o oficial cuja autoridade se segue, em qualquer caso, à do Comandante, sendo, portanto, seu substituto eventual? O Imediato O Assistente do Comandante O Oficial de serviço O Oficial de Quarto O Comandante não possui substituto eventual.
36- Quem compõe a gente de bordo? O Comandante e da Tripulação O Comandante, o Oficial de Serviço e a guarnição O Comandante e a Oficialidade O Comandante e a guarnição O Imediato e a Oficialidade.
37- Quem compõe a oficialidade? O Imediato e demais oficiais O Imediato e a Tripulação O Comandante e o Imediato O Comandante e a Guarnição O Imediato e a Guarnição.
38- Quem constitui a guarnição? As Praças Demais oficiais e Praças O Comandante, o Imediato e as Praças O Comandante e as Praças O Imediato e as Praças.
39- Formam a tripulação da OM: A Oficialidade e a Guarnição O Imediato e demais Praças O Imediato e demais oficiais O Comandante e a Guarnição O Imediato e a Guarnição.
40- Quem é o coordenador de todos os trabalhos de bordo e que exerce a gerência das atividades administrativas? O Imediato O Encarregado do S1 O Oficial de Quarto O Oficial de serviço O Assistente do Comandante.
41- De onde emanam as ordens? Do Comandante Do Oficial de serviço Do Oficial de Quarto Do Assistente do Comandante Do Imediato.
42- A quem cabe fazer executar as ordens emanadas do Comandante? o Imediato o Assistente do Comandante o Chefe de Gabinete do Comandante o Oficial de serviço o Oficial de Quarto.
43- Uma série de atividades de bordo é executada pelo pessoal de serviço. Originalmente, o cuidado com o navio, em termos de zelo por sua segurança, determinou o emprego de parcelas da tripulação em períodos de quatro horas, denominados quartos. Resulta daí a divisão do dia em quartos de serviço. Qual dos quartos de serviço é o denominado quarto d‟alva? O de 04:00h às 08:00h O de 00:00h às 04:00h O de 12:00h às 16:00h O de 08:00h às 12:00h O de 04:00h às 06:00h.
44- “No exercício de suas atribuições, é o representante do Comandante. É o responsável pela segurança do navio ou OM, pela manutenção da disciplina e pelo cumprimento da rotina de bordo”. O trecho se refere: ao Oficial de Serviço ou de Quarto ao Oficial de Dia ao Chefe de Gabinete do Comandante ao Assistente do Comandante ao Imediato.
45- Em relação ao pessoal de serviço, o Contramestre é: É um suboficial ou sargento, ajudante do oficial de serviço É, exclusivamente, um suboficial, ajudante do oficial de serviço É um Sargento ou Cabo, ajudante do oficial de serviço. É um Primeiro ou Segundo-Sargento, ajudante do oficial de serviço. É um Sargento, ajudante do oficial de serviço.
46- Em relação ao pessoal de serviço, o Polícia é: um Sargento ou Cabo, ajudante do oficial de serviço para efeito de fiscalização quanto ao cumprimento da rotina e manutenção da disciplina. um Terceiro ou Segundo-Sargento, ajudante do oficial de serviço para efeito de fiscalização quanto ao cumprimento da rotina e manutenção da disciplina um Cabo, ajudante do oficial de serviço para efeito de fiscalização quanto ao cumprimento da rotina e manutenção da disciplina. um Sargento, ajudante do oficial de serviço para efeito de fiscalização quanto ao cumprimento da rotina e manutenção da disciplina. um Sargento ou Cabo, ajudante do oficial de serviço para efeito de fiscalização quanto ao cumprimento da rotina e manutenção da disciplina e substituto eventual do Contramestre.
47- Em relação ao pessoal de serviço, o Ronda/ Mensageiro é: É um marinheiro ou soldado às ordens do oficial de serviço. É um marinheiro ou soldado às ordens do polícia É um cabo, marinheiro ou soldado às ordens do contramestre. É um marinheiro ou soldado às ordens do contramestre. É um cabo, marinheiro ou soldado às ordens do oficial de serviço.
48- Em relação ao pessoal de serviço, a Sentinela é: um marinheiro ou soldado destacado para um posto de guarda, com atribuição básica de proteger a OM das ameaças provocadas por estranhos ou inimigos. É um marinheiro ou soldado destacado para um posto de guarda, com atribuição básica de fiscalização quanto ao cumprimento da rotina e manutenção da disciplina. um marinheiro ou soldado destacado para um posto de guarda, com atribuição básica de ficar às ordens do oficial de serviço. um sargento, cabo, marinheiro ou soldado destacado para um posto de guarda, com atribuição básica de proteger a OM das ameaças provocadas por estranhos ou inimigos. um cabo, marinheiro ou soldado destacado para um posto de guarda, com atribuição básica de proteger a OM das ameaças provocadas por estranhos ou inimigos.
49- Correlacione as colunas e em seguida marque a opção correta. Frações dos quartos de serviço I- 2ª meia-hora do quarto 91 II- 4ª meia-hora do quarto III- 7ª meia-hora do quarto IV-5ª meia-hora do quarto V- 3ª meia-hora do quarto Batidas do Sino ( ) Uma batida dupla e uma singela ( ) Duas batidas duplas ( ) Uma batida singela ( ) Três batidas duplas e uma singela ( ) Uma batida dupla ( ) Duas batidas duplas e uma singela V, II, -, III, I, IV I, II, III, IV, -, V III, II, V, -, I, IV IV, I, -, III, II, V V, IV, -, III, I, V.
50- No período compreendido entre_____________________, os intervalos dos quartos são determinados por batidas do sino de bordo, feitas ao fim de cada meia-hora. os toques de alvorada e de silêncio os toques de hastear da Bandeira Nacional e de silêncio os toques de silêncio e de alvorada o toque de alvorada e a meia-noite o toque de alvorada e o arriar da Bandeira Nacional.
51- Os principais eventos da rotina de bordo são ordenados por: toques de apito sinais de embandeiramento sinais de alarme avisos por fonoclama toques de corneta.
52- Os principais eventos da rotina de bordo são ordenados por toques de apito, utilizando-se, para isso, de um apito especial: o apito do marinheiro o apito do navio o apito do mestre o apito do Oficial de Serviço o apito de Nelson.
53- “...ao longo dos tempos, uma das peças mais características do equipamento de uso pessoal da gente de bordo. Os gregos e os romanos já o usavam para fazer a marcação do ritmo dos movimentos de remo nas galés”. O trecho se refere: ao apito do marinheiro ao apito do navio ao apito do mestre ao leme de boreste à volta de Nelson.
54- “Com o passar dos anos, o apito se tornou uma espécie de distintivo de autoridade e mesmo de honra. Na Inglaterra, o Lord High Admiral usava um apito de ouro ao pescoço, preso por uma corrente; um apito de prata era usado pelos Oficiais em Comando, como_________________. Eram levados tais símbolos em tanta consideração que, em combate, um oficial que usasse um apito preferia jogá-lo ao mar a deixá-lo cair em mãos inimigas”. O trecho remete à história do apito do marinheiro. Assinale a resposta que completa corretamente o trecho acima. "Apito de Comando" “Apito de Nelson” “Apito do Mestre” “Apito do Mar” “Apito do Navio”.
55- O apito, hoje, continua preso ao pescoço por um cadarço de tecido e tem utilização para os toques de rotina e comando de manobras. As fainas de bordo, ainda hoje, em especial as manobras que exigem coordenação e ordens contínuas de um_________________ou _______________, são conduzidas somente com toques de apito. Fazê-lo aos gritos denota pouca qualidade marinheira do dirigente da faina e sua equipe. Mestre ou Contramestre Oficial ou praça Marinheiro ou Fuzileiro Comandante ou Imediato Mestre ou Comandante.
56- Analise as proposições abaixo e emseguida marque a opção correta. I- O Oficial de Serviço utiliza um apito, que não é o tradicional, e serve para cumprimentar ou responder a cumprimentos dos cerimoniais (honras de passagem) de navios ou lanchas com autoridades que passam ao largo. II- O Regresso de licenciados ocorre durante o Quarto D’Alva. III- O Sinal para a bandeira, preparativo para o cerimonial de hasteamento da Bandeira Nacional, ocorre no quarto de 08:00 às 12:00h. IV- O Sinal do meio-dia e o rancho geral ocorrem no quarto de 08:00 às 12:00h. Apenas I, II e IV estão corretas Todas estão corretas Apenas III e IV estão corretas Apenas II e III estão corretas Apenas a I está INCORRETA.
57- Ocorrem durante o Quarto D’Alva, EXCETO: Cerimonial da bandeira Sinal para a bandeira, preparativo para o cerimonial que se seguirá Regresso de licenciados Faxina do quarto d’alva: limpeza e à arrumação das instalações de bordo pelo pessoal de serviço Alvorada.
58- A bandeira nacional é içada às oito horas da manhã em todas as OM da Marinha, em cerimonial que consta de: sete vivas três “urras” seis vivas oito vivas cinco vivas.
59- A bandeira nacional é içada às oito horas da manhã em todas as OM da Marinha, em cerimonial que consta de sete vivas dados com: o apito do marinheiro, ou de toque de corneta o apito do marinheiro, o toque de corneta e o Hino Nacional o apito do marinheiro e o toque de corneta apenas o toque de corneta apenas o apito do marinheiro.
60- Ocorrem durante o quarto de 08:00 às 12:00h, EXCETO: Período de recreação, após o rancho Rancho para serviço, Sinal do meio-dia e o rancho geral. Início do 1o tempo de adestramento e expediente, que termina próximo ao meio-dia Parada - formatura geral da tripulação para a transmissão/recebimento de ordens Cerimonial da bandeira.
61- A Parada - formatura geral da tripulação para a transmissão/recebimento de ordens – ocorre em qual quarto de serviço? de 08:00h às 12:00h de 12:00h às 14:00h de 12:00h às 16:00h de 16:00h às 20:00h de 04:00h às 08:00h.
62- O Sinal do meio-dia e o rancho geral ocorrem em qual quarto de serviço? de 08:00h às 12:00h de 08:00h às 14:00h de 12:00h às 14:00h de 12:00h às 16:00h de 04:00h às 08:00h.
63- Ocorrem no quarto de 12:00 às 16:00 h, EXCETO: Autorização para baixar a terra, ou seja, o licenciamento Volta às faxinas, adestramento e expediente Inspeção, quando todas as incumbências de bordo são vistoriadas Formatura para distribuição de faxinas Período de recreação, após o rancho e Início do 2o tempo de adestramento e expediente.
64- A Autorização para baixar a terra, ou seja, o licenciamento ocorre em qual quarto de serviço? de 16:00h às 20:00h de 14:00h às 16:00h de 12:00h às 14:00h de 16:00h às 18:00h de 12:00h às 16:00h.
65- Ocorrem no quarto de 16:00 às 20:00 h , EXCETO: Revista do Recolher Período de recreação Sinal para a bandeira e Cerimonial da bandeira Rancho para serviço e Rancho geral Autorização para baixar a terra, ou seja, o licenciamento.
66- A Revista do Recolher, formatura de todos que se encontram a bordo, se licenciada a tripulação, ocorre no quarto de serviço de: de 20:00h às 24:00h de 16:00h às 22:00h de 20:00h às 22:00h de 16:00h às 20:00h de 12:00h às 16:00h.
67- Em qual quarto de serviço é redobrada a atenção do pessoal de serviço com a segurança? de 00:00h às 04:00h de 02:00h às 04:00h de 24:00h às 02:00h de 20:00h às 24:00h de 16:00h às 20:00h.
68- Qual é a saudação entre militares? A continência A expressão “Urra” O expressão “Hope” O cumprimento bom dia/tarde/noite O aperto de mão.
69- Quem deve, obrigatoriamente, saudar o oficial de serviço e pedir licença para entrar a bordo, e, da mesma forma, obter permissão e dele se despedir para retirar-se de bordo? Todos que entram a bordo O Comandante e a Oficialidade Somente a Guarnição A Oficialidade e a Guarnição O Imediato e a Tripulação.
70- Analise as proposições abaixo e emseguida marque a opção correta. I- É costume, ao entrar-se a bordo pela 1a vez no dia, saudar o pavilhão nacional, bem como ao retirar-se de bordo. II- O subordinado dará o pronto a seu superior da execução das ordens que dele tiver recebido, bem como o manterá informado do andamento das tarefas por ele determinadas. III- Não é obrigatório possuir a bordo todos os uniformes previstos, em quantidade suficiente e em condições de pronto uso, porém recomeda-se. IV- Câmara, camarote, alojamento e coberta são locais destinados a alojar o pessoal de bordo. Apenas I, II e IV estão corretas Todas estão corretas Apenas III e IV estão corretas Apenas II e III estão corretas Apenas a I está INCORRETA.
71- Como se chama o local a bordo destinado a alojar o comandante? Câmara Passadiço Ponte de Comando Gabinete Camarote.
72- Como se chama o local a bordo destinado a alojar os Segundos-Sargentos? Coberta Câmara Alojamento Praça D’Armas Camarote.
73- O(s) local(is) que se destinam a alojar os oficiais, suboficiais e primeiros-sargentos? Camarotes ou Alojamentos Praça D’Armas Apenas Alojamentos Coberta Apenas Camarote.
74- Nas OM, de uma forma geral, haverá os seguintes ranchos, EXCETO: o dos segundos e terceiros-sargentos e os das demais praças, que, nos navios recebe a denominação de coberta de rancho. o dos suboficiais e primeiros-sargentos o dos oficiais, realizado na Praça D‟armas do Comandante, normalmente agregado à câmara.
75- No tempo da Marinha a vela, em que compartimento se guardava o armamento portátil de que dispunha o navio? Praça d’armas. Tijupá. Coberta Escoteria. Paiol.
76- Correlacione as colunas e em seguida marque a opção correta. I- Praça d’armas II- Escoteria III- Sala de Estado IV- Salão de Recreio V- Paiol VI- Bailéu VII- Secretaria VIII- Corpo da Guarda ( ) Compartimento destinado ao recolhimento de presos. ( ) Conjunto de dependências destinadas ao serviço e alojamento do pessoal em serviço de guarda. ( ) Local, nas OM, onde são guardadas as armas portáteis e as de porte. ( ) Dependência destinada à permanência do oficial de serviço e seus auxiliares. ( ) Compartimento destinado ao uso pelas praças nos períodos de recreação, previstos na rotina de bordo. ( ) Compartimento onde funcionam o refeitório e a sala de estar dos oficiais nos navios de guerra. ( ) Dependência da OM onde são executadas atividades administrativas. ( ) Compartimento destinado à guarda ou armazenamento de materiais, como, por exemplo, munição, rancho, tintas, equipagens, fardamento etc. VI, VIII, II, III, IV, I, VII, V V, II, III, I, VI, VIII, VII, IV VIII, VI, II, III, IV, I, VII, V VI, III, I, VIII, IV, V, VII, II V, IV, III, II, I, V, VIII, VII.
77- Fainas são trabalhos que envolvem o pessoal de bordo para um fim específico, classificando-se, conforme o caso, em: gerais ou parciais, comuns ou de emergência. gerais ou particulares, comuns ou especiais gerais ou pontuais, de abandono ou postos de combate gerais ou não-gerais, comuns ou de emergência gerais ou parciais, simples ou complexas.
78- Analise as proposições abaixo, no tocante as tradições navais, e marque a opção correta. (I) A gente de bordo compõe-se do Comandante e da Guarnição. O Imediato e os demais oficiais constituem a oficialidade. As praças constituem a tripulação. A oficialidade e a tripulação formam a guarnição da OM. (II) No exercício de suas atribuições, o imediato é o representante do Comandante. É o responsável pela segurança do navio ou OM, pela manutenção da disciplina e pelo cumprimento da rotina de bordo. (III) As fainas de bordo, ainda hoje, em especial as manobras que exigem coordenação e ordens contínuas de um Mestre ou Contramestre, são conduzidas somente com toques de corneta. Fazê-lo aos gritos denota pouca qualidade marinheira do dirigente da faina e sua equipe. (IV) A bandeira nacional é içada às oito horas da manhã em todas as OM da Marinha, em cerimonial que consta de sete vivas dados com o apito do marinheiro, ou de toque de corneta, e das continências individuais por todo o pessoal presente nas imediações do local do cerimonial. (V) A gola do marinheiro é bastante antiga. Era usada para proteger a roupa das substâncias gordurosas com as quais os marujos untavam o “rabicho” de suas cabeleiras. O uso do rabicho desapareceu, mas a gola permaneceu como parte do uniforme. A cor preta é adotada por quase todas as Marinhas do mundo. As três listras existentes na gola foram usadas pela primeira vez nos funerais de Nelson, para comemorar suas vitórias nas três grandes batalhas: Aboukir, S. Vicente e Trafalgar. As opções IV e V estão corretas. As opções I, III e V estão corretas. As opções II e V estão corretas. As opções I e IV estão corretas. A opção IV está correta.
79- As fainas comuns são ordenadas como nas atividades previstas na rotina, ou seja, por meio de: toques de apito ou corneta e anúncio por fonoclama. toques de apito e anúncio por fonoclama Somente anúncio por fonoclama. Somente toques de corneta Somente toques de apito.
80- As fainas de emergência são ordenadas por: sinais de alarme, seguidos de aviso específico sobre a faina toques de apito ou corneta e anúncio por fonoclama. Somente anúncio por fonoclama. Somente toques de corneta Somente toques de apito.
81- Em um navio de guerra, as seguintes fainas são importantes para os procedimentos a serem adotados pelos fuzileiros navais a bordo, EXCETO: de emergência de homem ao mar de emergência de colisão e abandono de emergência de incêndio as comuns de recebimento de combustível e munição geral de postos combate.
82- Em relação aos uniformes, analise as proposições abaixo e, em seguida, marque a opção correta. I- oficiais e suboficiais usam galões nos ombros dos uniformes brancos. II- oficiais e suboficiais usam distintivos nas golas dos uniformes cinza ou bege. III- Sargentos, cabos, marinheiros e soldados usam sempre, para distinção de graduação, divisas nas mangas dos uniformes. IV- oficiais e suboficiais usam galões nos punhos dos uniformes azuis. V- No uniforme camuflado, os galões de oficiais e suboficiais são utilizados na gola. Apenas as opções II, III e IV estão corretas. Apenas as opções I e V estão corretas. Todas as opções estão corretas Apenas as opções I, II e III estão corretas. Apenas as opções IV e V estão corretas.
83- O uniforme típico do marinheiro é universal. Suas peculiaridades são: O lenço preto ao pescoço e a e a gola azul com três listras O Mescla Azul e a gola azul com três listras O lenço preto ao pescoço e o Quepe característico O Quepe característico e o Mescla Azul O Quepe característico e a gola azul com três listras.
84- Em relação ao uniforme típico do marinheiro: “... o lenço tem sua origem na artilharia dos tempos antigos da Marinha a vela. Os marujos usavam um lenço na testa, amarrados atrás da cabeça, durante os combates. Este procedimento evitava que o suor, misturado à graxa e mesmo à pólvora das peças que atiravam, lhes caísse aos olhos, ficando, portanto, na parte da frente da blusa, com: as duas pernadas da amarração presas com cadarço branco as duas pernadas da amarração presas com cadarço preto a pernada da amarração presa com cadarço branco as três pernadas da amarração presas com cadarço branco as duas pernadas da amarração presas com cadarço azul.
85- Usualmente, os lenços do uniforme dos marinheiros eram coloridos. Um fato histórico contribuiu para que fosse posto em uso na Marinha Britânica e adotado em praticamente por todas as Marinhas do mundo, a sua atual cor preta. Qual foi esse fato histórico? O Sinal de luto dos marinheiros nos funerais do Almirante Nelson, o mais famoso dos almirantes ingleses. O Sinal de luto dos marinheiros nos funerais do Almirante Wanderbrinck, o mais famoso dos almirantes ingleses. O Sinal de luto dos marinheiros nos funerais do Almirante Cornelizon, o mais famoso dos almirantes ingleses. O Sinal de luto dos marinheiros nos funerais de Francis Drake, o mais famoso dos Corsários ingleses. O Sinal de luto dos marinheiros em referência a decadência da marinha inglesesa após a independência dos EUA.
86- A gola do marinheiro é bastante antiga. Era usada para proteger a roupa das substâncias gordurosas com as quais os marujos untavam o “rabicho” de suas cabeleiras. O uso do rabicho desapareceu, mas a gola permaneceu como parte do uniforme. A cor azul é adotada por quase todas as Marinhas do mundo. As três listras existentes na gola foram usadas pela primeira vez nos funerais de Nelson, para comemorar suas vitórias nas três grandes batalhas: Aboukir, S. Vicente e Trafalgar. Aboukir, S. Vicente e Lowestoft. Aboukir, Ilhas Santas e Lowestoft. Aboukir, Lowestoft e Yorktown Aboukir, Ilhas Santas e Trafalgar.
87- Os fuzileiros navais também trazem em seus uniformes simbolismos e tradições. Umas das peças mais características do uniforme do Fuzileiro Naval é: O Gorro de Fita, de forma escocesa O Camuflado característico O Coturno Marrom O Talabarte O Gorro de Fita, de forma inglesa.
88- A incorporação do gorro de fita, de forma escocesa, umas das peças mais características do uniforme do Fuzileiro Naval, foi idéia de um comandante do Batalhão Naval que tinha ascendência britânica. Tal feito, data de: 1890 1889 1879 1895 1910.
89- Também pelo seu uniforme de gala é o fuzileiro naval reconhecido, notadamente por sua utilização nas cerimônias e nas apresentações das bandas de música. Qual é este uniforme? O Garança O Beje O Camuflado com coturno marrom O Azul O Brancão.
90- Associe as colunas, referente as nomenclaturas o navio, e marque a opção correta. (I) Anteparas (II) Costado. (III) Superestrutura. (IV) Portaló. ( ) Peças curvas que se fixam transversalmente à quilha do navio e que servem para dar forma ao casco e sustentar o chapeamento exterior. ( ) É a construção feita sobre o convés principal, estendendose ou não de um bordo a outro, e cuja cobertura é, em geral, ainda, um convés. ( ) É a parte do forro exterior do casco situada entre a borda e a linha de flutuação a plena carga. ( ) É a abertura feita na borda ou passagens nas balaustradas, por onde o pessoal entra e sai do navio, ou por onde passa a carga leve. Há um portaló de BB e um de BE, sendo esse último considerado o portaló de honra (-) (III) (II) (IV) (I) (III) (II) (IV) (-) (-) (II) (IV) (I) (-) (III) (-) (I) (-) (III) (-) (II).
91- É o corpo do navio sem levar em consideração os mastros, aparelhos e outros acessórios: Casco Quilha Superestrutura. Superestrutura central Anteparas.
92- É a peça estrutural básica do casco do navio, disposta na parte mais baixa do seu plano diamentral, em quase todo o seu comprimento. É considerada a "espinha dorsal" do navio: Quilha Casco Superestrutura. Caverna Anteparas.
93- São assim chamadas as peças curvas que se fixam transversalmente à quilha do navio e que servem para dar forma ao casco e sustentar o chapeamento exterior: Cavernas Cascos Quilhas Superestruturas. Anteparas.
94- É a parte do forro exterior do casco situada entre a borda e a linha de flutuação a plena carga: Costado Casco Balaustrada Cavernas Anteparas.
95- São as separações verticais que subdividem, em compartimentos, o espaço interno do casco, em cada pavimento: Anteparas Cavernas Balaustrada Casco Costado.
96- Associe as colunas, referente as nomenclaturas o navio, e marque a opção correta. (1) Proa (2) Popa (3) Bordos (4) Convés (5) Portaló (6) Convés de vôo ou convôo (7) Superestrutura (8) Castelo (9) Tombadilho (10) Superestrutura central (11) Porão ( ) É o convés principal dos navios-aeródromos, que se estende de popa a proa, constituindo sua pista de decolagem e pouso ( ) São as duas partes simétricas em que o casco é dividido pelo plano diametral. ( ) É a construção feita sobre o convés principal, estendendose ou não de um bordo a outro, e cuja cobertura é, em geral, ainda, um convés. ( ) É a extremidade dianteira ou anterior do navio ( ) É a abertura feita na borda ou passagens nas balaustradas, por onde o pessoal entra e sai do navio, ou por onde passa a carga leve. ( ) É a extremidade posterior do navio. ( ) É a denominação atribuída aos pavimentos com que o navio é dividido no sentido da altura. ( ) É a superestrutura na parte extrema da popa. ( ) É o espaço entre o convés mais baixo e o fundo do navio. Nos navios transporte, ele é, também, o compartimento estanque onde se acondiciona a carga. ( ) É a superestrutura na parte extrema da proa. ( ) É a existente a meia-nau. Nela normalmente são encontrados dois importantes conveses: o tijupá, e o passadiço. 6, 3, 7, 1, 5, 2, 4, 9, 11, 8, 10 3, 6, 7, 1, 5, 2, 4, 9, 11, 8, 10 3, 6, 10, 1, 5, 2, 4, 9, 11, 8, 7 6, 3, 10, 1, 5, 2, 4, 9, 11, 8, 7 6, 3, 7, 1, 5, 2, 4, 8, 11, 9, 10.
97- No Navio, se um objeto está mais para a proa que outro, diz-se que está _________________dele; se está mais para a popa, diz-se que está_________________. por ante-a-avante (AAV) / por ante-a-ré (AAR) à proa (APR) / à popa (APO) à testa (AT) / à retaguarda (ARt) à frente (AF) / às costas (AC) à vante (AV) / à ré (AR).
98- Quando algo está nos conveses cobertos, diz-se que está: cobertas abaixo no tombadilho à popa nas cobertas a baixo da linha d’água.
99- Diz-se que algo se encontra no convés quando está: em um convés descoberto. cobertas abaixo À meia nau Em qualquer convés do navio a baixo da linha d’água.
Report abuse Terms of use
HOME
CREATE TEST
COMMENTS
STADISTICS
RECORDS
Author's Tests